Nestes hospitais, animais de estimação também são remédio

Hospitais reúnem os pacientes com seus animais de estimação, promovendo conforto e cura. Um novo centro de animais no hospital infantil St. Louis Children's Hospital leva conforto a pacientes e seus estimados animais durante longas internações.

Após ter sido separado de seu cão, um paciente com câncer, de 12 anos, recentemente se reuniu com o seu estimado animalzinho – não em casa, nas no hospital infantil St. Louis Children’s Hospital.

- Anúncio -

Steven Conner conseguiu jogar bola e brincar com sua canina, Roxie, por cerca de uma hora no centro familiar recém-inaugurado no dia 20 de Junho, Purina Family Pet Center.

St. Louis Children's Hospital
St. Louis Children’s Hospital

“Foi algo maravilhoso,” disse a mãe de Steven, Vicky Straman, ao TODAY. “O semblante do meu filho realmente melhorou.”

Por que Steven não pode ir normalmente a escola, devido aos seus sérios problemas de saúde e números de hospitalizações, Roxie tem sido um companheiro próximo do garoto, em casa.

“Quando temos de ir ao hospital, eu sinto falta dela,” disse Steven ao TODAY.

A nova unidade, que abriu em Maio, valida um sentimento mais amplo que obscurece a ligação entre membros das famílias e animais de estimação. De fato, a ideia do hospital St. Louis Children’s Hospital foi inspirada por uma tentativa similar no Cincinnati Children’s Hospital Medical Center, que, recentemente, ficou em terceiro lugar na lista do U.S. News e World Report de melhores hospitais infantis.

Embora o St. Louis Children já tivesse seu próprio programa de terapia com animais de estimação, chamado PetSmart Paws for Hope, acreditava-se que permitir que as crianças pudessem interagir com seus próprios bichinhos seria algo altamente eficaz.

“As salas foram projetadas para auxiliar os pacientes e seus animais de estimação terem a melhor experiência possível,” disse o Dr. Zara Boland, veterinário na Nestle Purina PetCare, ao TODAY.

- Anúncio -
Mary Butkus / Mary Butkus
Mary Butkus / Mary Butkus

A sala de 300 m² permite que os pacientes permaneçam em suas camas ou cadeiras de rodas enquanto interagem com seus animais. É mobiliada com mesas altas o suficiente para crianças alcançarem e também está equipada com dispensadores de feromônios, os quais jorram um produto químico não tóxico, sem odor e com efeito calmante aos animais. As cores da sala são brilhantes e vivas, e, nas paredes, há fotos de crianças com seus bichinhos, as quais dão uma atmosfera alegre e lúdica ao local.

E, uma vez que o centro de animais fica no meio do estacionamento e da ponte que se conecta ao hospital, os animais nem precisam entrar no hospital.

O centro e animais de St. Louis é apenas o quarto estabelecimento deste tipo no mundo. Os outros dois são os hospitais Wolfson Children’s Hospital, em Jacksonville, na Flórida, e Alberta Children’s Hospital, no Canadá.

O centro médico Cincinnati Children’s Hospital Medical Center, que abriu um centro de animais em 2013, tem o objetivo de provir conforto extra e cura a crianças e suas famílias, durante estadias longas em suas instalações.

O centro não apenas permite que as crianças visitem seus próprios animas, mas também fornece um espaço aos cães de terapia fixos do hospital

Estudos mostraram que passar tempo com animais de estimação pode reduzir sintomas como dor, ansiedade, depressão e fadiga em pessoas com inúmeros problemas de saúde, e naqueles que ficam internados.

A conexão entre animais de estimação com suas crianças também beneficia aqueles. Purina conduziu um estudo envolvendo voluntários e cachorros de estimação em um abrigo de animais local.

- Anúncio -

“Os batimentos cardíacos dos animais diminuíram e tornaram-se mais irregulares, sinal de que os cães ficaram mais calmos e contentes,” disse Boland. “Imagine o (bem) que este tipo de interação faz aos animais que sentem falta de seus companheiros humanos?”

Tanto o centro de Cincinnati quanto o de St. Louis são preparados para atenderem principalmente cães e gatos. Répteis e pássaros não são permitidos devido à possível ameaça de transmitir doenças infecciosas. Os bichinhos precisam ser liberados por seus respectivos veterinários e banhados antes de cada visita. Os médicos também precisam aprovar as visitas.

Kate Shamszad, diretora clínica interina da divisão Division of Child Life & Integrative Care, no hospital Cincinnati’s Children’s Hospital, afirma que houve vários pedidos envolvendo animais inusitados, tais como porco vietnamita, mini cabra e até um esquilo voador.

Apesar de Steven Conner ter sido o primeiro a usar o Purina Family Pet Center em St. Louis, espera-se que mais pacientes utilizem as instalações nas próximas semanas.

“Ficamos tão encorajados com o sucesso do centro em St. Louis, que atualmente estamos construindo um centro para famílias e animais em um hospital da Bélgica,” disse Bill Etling, diretor de marketing e relações públicas do Nestle Purina PetCare, ao TODAY.

Steven, que precisará voltar ao hospital para fazer tratamento, nesta semana, provavelmente aprovaria. “Ele poderá brincar com Roxie novamente enquanto estiver lá,” disse Vicki Stratman, ” e está até ansioso para isso.”